Introduza o termo a pesquisar e clique Enter.

Tag: otaku

Proposta 156 aprovada – e agora?

Dez 10 16

Escrito por Luis Nabais @ 16/12/10 0:12 | 1 Comentário »

A proposta 156 que já mencionei aqui no blog foi hoje aprovada na assembleia municipal de Tóquio e entrará plenamente em vigor no próximo dia 1 de Julho de 2011 (com o período de auto-regulação das editoras a começar a 1 de Abril do mesmo ano). A grande pergunta que fica então na cabeça dos otakus é se isto significará de alguma forma o fim das séries que tanto gostam e a resposta é um peremptório não.

Não me entendam mal, não quero com isto dizer que a industria da animação japonesa não venha a ser afectada mas não é certamente o fim do mundo como certos sites mais sensacionalistas parecem querer transparecer.

Primeiro que tudo é preciso lembrar que esta lei aplica-se apenas à área metropolitana de Tóquio que, apesar de ser o grande motor do mercado, não representa a totalidade do país. Depois é preciso lembrar que a lei pode ainda ser contestada em tribunal pelas mais diversas razões se bem que a natureza do povo japonês é habitualmente uma de evitar o confronto o que torna tanto esta réstia de esperança quer uma possível intervenção do governo e do seu primeiro ministro acontecimentos relativamente improváveis. Por fim resta ainda saber se a lei vai ser efectivamente aplicada ou se não passa apenas de uma lei de fachada aprovada para satisfazer uma parte da população mais conservadora e que acabará a ganhar pós nos livros sem nunca ver grande aplicação pratica.

De Dan Kanemitsu chega informação que a contestação à proposta nos últimos dias foi forte colocando talvez a legitimidade ética da votação em questão porém de pouco servem vitórias morais se no fim do dia a proposta foi aprovada pelos representantes democraticamente eleitos pelo povo.

Para já resta esperar para ver os próximos acontecimentos e mais concretamente o que se vai suceder a partir de Abril do próximo ano. Há quem espere ver um reencenar dos acontecimentos dos anos 50 nos Estados Unidos da América que viram a industria da banda desenhada sofrer um grande rombo ás mãos do Comics Code Authority enquanto outros esperam ver os autores japoneses procurarem formas imaginativas de escapar à lei com argumentos mais inteligentes em contraponto ao que alguns vêm como excesso de frontalidade nas séries actuais.

Animagedon Now!

Dez 10 14

Escrito por Luis Nabais @ 14/12/10 0:12 | 1 Comentário »

156, este é um numero que pode muito em breve tornar-se alvo de ódio entre a comunidade de apreciadores de desenho e animação japonesas. Tudo isto devido à recém pré-aprovação do projecto de lei #156 da Assembleia Metropolitana de Tóquio, a mais recente alteração à portaria para o desenvolvimento saudável da juventude e que é vista por muitos otaku como um sinal de desgraça para a industria.

O documento em questão vem alterar a já existente legislação relativa à não só protecção de menores no que toca à exposição a conteúdos potencialmente nocivos como também como tentativa de combate à pornografia infantil. Até aqui parece tudo normal mas o texto da lei tem vindo a ser criticado como pouco claro e demasiado abrangente no que toca à censura de conteúdos que possam incentivar à criminalidade ou exibir determinados conteúdos sexuais.

Uma das principais criticas, conforme nos chega pelo blog de Dan Kanemitsu por exemplo, prende-se com a alteração do critério para classificar algo como nocivo para menores do texto anterior:

Qualquer material que possa ser nocivo para o desenvolvimento saudável da juventude à luz da sua capacidade para estimular sexualmente, encorajar actos de crueldade e/ou promover comportamento suicida ou criminal.

para o actual texto onde se pode ler:

Qualquer manga, animação ou imagem (mas excluindo imagens da vida real) que possuam quer actos ou pseudo-actos sexuais que seriam ilegais na vida real, ou actos ou pseudo-actos sexuais entre familiares próximos cujo casamento seria ilegal e onde tais representações e/ou apresentações glorifiquem ou exagerem injustificadamente a actividade em questão.

Estas alterações, para além de serem claramente apontadas à industria da animação e banda desenhada do país, alteram também o leque de obras que ficam abrangidos pela legislação como tendo a sua venda interdita a menores de 18 anos que como calculam representam uma grande fatia do publico alvo das editoras afectadas. Entre o tipo de obras possivelmente afectadas encontram-se não só grande parte das obras claramente excessivamente “sexualizadas” dos últimos anos como também qualquer obra que aborde relações homosexuais ou onde algum personagem seja visto a cometer um crime. O problema não é tanto séries como Highschool of the Dead mas sim Gungrave ou Bacanno.

A lei deve ir a votos na próxima quarta-feira e, se aprovada, entrará em vigor no inicio do mês de Julho de 2011 dando um total de 7 meses para os estúdios e editoras se prepararem no entanto as reacções negativas já se fazem sentir com o grupo de editoras conhecido como “Comic 10” (onde se encontram marcas como a Shounen Jump e obras como DragonBall, Naruto, Bleach, One Piece, etc…) a boicotar em protesto a edição de 2011 da Feira de Anime de Tokyo.

Como nota final resta acrescentar que esta legislação aplica-se apenas na área metropolitana de Tokyo e não ao resto do país porém dada a sua dimensão pode-se dizer que não é descabido assumir que outras zonas do país venham a ser também afectadas quer por actos de auto-censura da industria para conseguir manter as vendas na zona quer por legislação semelhante que venham a surgir como resposta noutros pontos do país.

A comunidade otaku tanto no Japão como em outros pontos do mundo encontra-se em alvoroço como seria de esperar mas os efeitos reais desta nova legislação são ainda uma incógnita. Será a lei aplicada correctamente? Será apenas uma medida populista por parte do governo maioritariamente nacionalista actual da área metropolitana que nunca passará do papel? A nós gaijins resta-nos apenas esperar para ver enquanto esperamos que não passe tudo de fumo branco causado por alguns fãs com excesso de zelo.

Clannad

Dez 09 18

Escrito por Luis Nabais @ 18/12/09 3:12 | 5 Comentários »

Furukawa Nagisa

Furukawa Nagisa

OK antes de mais nada vou pedir-vos uma coisa: oiçam-me (ou melhor, leiam-me) e não deitem logo para o lado isto no momento em que eu mencionar o que é. E dito isto aqui vai a posta:

Como muitos de vocês se calhar já notaram (e se não notaram ficam a saber) eu sou capaz de ser aquilo a que se chama um otaku… OK sou mesmo um caso sério e como tal gosto claramente de ver animes e outras coisas engraçadas do Japão. E isso trás-nos ao artigo que estão a ler: venho aqui recomendar vivamente um anime. É também agora que relembro aquilo que disse antes: oiçam-me e não fechem já a janela antes de perceberem o que eu venho aqui dizer, mantenham uma mente aberta que faz bem à saúde mental.

Venho então sugerir-vos uma adaptação para anime de uma das infames Visual Novels japonesas chamada de Clannad. Clannad conta a historia de um rapaz chamado Okazaki Tomoya, um estudante do ultimo ano do secundário de uma das melhores escolas da pequena cidade onde habita. Porém apesar do Tomoya estar numa boa escola isso não faz dele um bom aluno, bem pelo contrario: ele e o seu amigo Youhei Sunohara são ambos “delinquentes” e como tal faltam ás aulas, chegam tarde, não participam em nenhum grupo, etc… A historia de Clannad começa num dia em que Tomoya está a caminhar para a escola (atrasado como de costume) e passa por uma rapariga, a outra personagem principal desta historia, chamada Furukawa Nagisa. Uma rapariga tímida, com problemas de auto-estima e que se encontra a repetir o ultimo ano por ter faltado a grande maioria do ano anterior devido a doença.

Como podem ver a premissa de Clannad é bastante banal e muito gasta até porém eu não viria aqui recomendar este anime se não achasse claramente que se trata de uma obra prima do género bem como detentor de uma historia profundamente tocante. A acção desta série decorre em volta dos esforços de Nagisa com o auxilio de Tomoya para reestabelecer o clube de teatro da escola porém esses esforços servem como padrão de fundo para contar as diversas historias do grupo de amigos de Tomoya, para contar uma profundamente bonita a historia de amor entre os dois personagens principais mas acima de tudo para mostrar a historia de um rapaz (o protagonista) a crescer e a compreender cada vez mais o porque da relação conflituosa que teve com o pai. É precisamente por este ultimo ponto que recomendo vivamente Clannad a todas as pessoas que tiverem a coragem de experimentar uma historia interessante, claramente triste e trágica. Diria que é uma historia para as raparigas e para todos os rapazes que tiverem a coragem de admitir que não são só filmes de acção que gostam de ver.

Eu não sou a pessoa mais indicada para recomendar este tipo de coisas, creio até que tendo a causar o efeito contrario e a desmotivar as pessoas de ver algo que recomendo devido à minha falta de jeito e possivelmente excessiva insistência mas prometo-vos que se tiverem uma mente aberta e não se importarem de ver uma historia tocante Clannad é uma experiência que vão certamente guardar com carinho na memoria.

PS: e já agora não vejam o filme! Se a série já salta em pormenores deliciosos do jogo nem querem imaginar quantos salta o filme (já para não falar na animação inferior e no final agridoce… se bem que bem mais facilmente compreensível admito)

pub: