Introduza o termo a pesquisar e clique Enter.

9 Comentários

  1. Dextro

    04 de Setembro de 2008 ás 11:10

    a utilizar Mozilla Firefox 3.0.1 em Windows XP

    @Rui Manuel Martins
    Eu tenho pena que haja pessoas que vão ao cinema ou vejam tv porque gostam de visualizar violência e sexo mesmo que a fingir…

    Eu tenho pena que as pessoas leiam livros porque gostam de violência mesmo que apenas imaginada e posta por escrito…

    E podia continuar por aqui falando de virtualmente todas as formas de arte conhecidas pelo homem.

    A violência e o sexo existem na nossa sociedade e é saudável que existam jogos como o GTA que permitem ás pessoas descarregar os seus “desejos” reprimidos em vez de os guardarem para si á espera de explodir.

    Mas se querem continuar a ser politicamente correctos e achar muito feio isto da violência nos videojogos então estejam á vontade: não deixem os vossos filhos jogar os jogos mas por favor não tentem fazer o vosso ponto de vista passar pela verdade porque isso não só é discutível como demonstra uma mente fechada e pudica daquelas que a igreja católica adorou promover durante anos.

  2. Luís Miguel Silva

    04 de Setembro de 2008 ás 16:02

    a utilizar Mozilla Firefox 3.0.1 em Windows XP

    De facto…agora a culpa é dos jogos :o)

    Como o Dextro disse, banam os filmes de terror que incitam as pessoas a matarem! Bah…

    Eu tenho 25 anos e os meus pais sempre me deram liberdade para jogar qualquer jogo que quisesse. Sempre fui da opinião que, como não moldou a minha personalidade de forma negativa, não há qualquer problema em que os putos joguem qualquer tipo de jogo.

    No entanto, após ponderar um pouco e ver os jogos que há hoje em dia, reparei que me estava a escapar algo muito importante: o realismo dos jogos mudou IMENSO!

    Eu já tinha uns 15 anos quando começaram a haver jogos REALMENTE violentos…

    Ou seja, acho que não há problema nenhum com os jogos mas deveria haver supervisão dos adultos!

    Hugz,
    Luís

  3. Rui Manuel Martins

    04 de Setembro de 2008 ás 16:58

    a utilizar Internet Explorer 7.0 em Windows Vista

    Dextro, “descarregar os seus “desejos” reprimidos “?! Mas que raio de desejos são esses? É mais que óbvio que um ser humano com uma mentalidade minimamente equilibrada não se deixa influenciar por um jogo de computador, o certo é que existem muitas mentes deturpadas na nossa sociedade que facilmente passam para a violência, até sob influência de jogos, cinema ou literatura.

    Deu a entender que considera um jogo de vídeo uma forma de arte. Se assim o é, reformule o seu conceito de arte. Mas já que estamos nesse campo, é, sem dúvida alguma, preferível ler um bom livro ou ver um bom filme (“bom” do ponto de vista artístico e intelectual e não comercial) que relate acontecimentos violentos, do que jogar um jogo que em nada contribuí para o enriquecimento cultural da pessoa.

    Existe ainda outra diferença entre o cinema, a literatura e outras formas de arte, dos jogos. Nos jogos o jogador toma a posição da personagem fictícia e é este que comanda as suas acções.

    Não vou pegar sequer na questão da Igreja, porque alargaria-me muito. Apenas lhe digo que sou ateu e anti-igreja como instituição. Que até concordo com o que disse, mas acho de certa maneira desenquadrado.

    Por fim, o extremo não é saudável em contexto algum. Até na arte existem limites, de certo já ouviu relatos de assassinos em série que afirmam ser artistas e vêm nos cadáveres obras-primas. Apenas apelo ao bom-senso das pessoas e da indústria do entretenimento. Mas a solução não passa, óbviamente, pela censura por parte dos governos de certos jogos.

  4. Dextro

    04 de Setembro de 2008 ás 17:12

    a utilizar Mozilla Firefox 3.0.1 em Windows XP

    Sim considero os jogos de vídeo uma forma de arte e da mesma forma que existem maus filmes e maus livros que não são arte também existem maus jogos porém existem bastantes que podem ser vistos como experiências enriquecedoras intelectualmente.

    Experimente jogar coisas como Europa Universalis ou Brothers in Arms que são jogos que procuram reproduzir com alguma exactidão certos períodos da historia humana.

    E sim, nós como seres humanos temos instintos e outros desejos primitivos provenientes das áreas mais antigas do nosso cérebro, não somos seres puramente racionais e para muitas pessoas é saudável descarregar esses mesmos impulsos por métodos indirectos como os videojogos.

    Existem até já estudos que comprovam que a grande generalidade das pessoas se sente mais calma depois de jogar um videojogo violento do que depois de jogar um videojogo calmo portanto não sou só eu a acreditar.

    E eu também sou ateu mas tenho plena noção da influência que a igreja teve ao longo dos séculos na sociedade em que cresci e como isso afectou a perspectiva e o desenvolvimento da minha pessoa e dos demais á minha volta. É dificilmente refutável que vem da igreja a ideia de que “tudo o que é violento e sexual é mau”, basta observar os dados arqueológicos das sociedades pré-catolicismo e a sua abertura quanto a estes temos (algumas dessas sociedades bastante desenvolvidas como a grega ou a egípcia).

  5. Rui Manuel Martins

    04 de Setembro de 2008 ás 17:53

    a utilizar Internet Explorer 7.0 em Windows Vista

    Sim, errei quando disse que não existem jogos capazes de nos proporcionar um desenvolvimento intelectual (abstai-me inconscientemente e centrei-me apenas no GTA, mas não são nunca arte, disso estou certo.
    Quanto à questão da racionalidade humana, é certo e sabido que os chamados impulsos inconscientes nos levam a tomar atitudes irracionais perante panoramas ou contextos que nos despertem determinadas emoções consideradas fortes. Mas também não acredito que seja um jogo que evite um homicídio, até porque esse lado irracional do ser humano surge, se tivermo em conta uma mente equilibrada, espontâneamente e únicamente naquele momento. Mas não nos podemos servir deste lado obscuro da mente humana para justificar actos, se isso acontece as prisões ficam desertas e todos os psicopatas alegam dessa irracionalidade para justificar todos os seus actos criminosos.
    Quanto à igreja, os tabus e dogmas são imundos, mas quanto à violência (eles foram responsáveis pela maior época de violência humana e de censura – a inquisição) não sou nada tolerante. Já Lenine e Estaline justificavam o recurso da violência (chamada Terror Vermelho na época de Lenine, da implementação do Comunismo na Rússia e da CHEKA – polícia política secreta)como forma de manter a estabilidade social (utópico evidentemente).

  6. Dextro

    04 de Setembro de 2008 ás 17:58

    a utilizar Mozilla Firefox 3.0.1 em Windows XP

    Concordo plenamente que os impulsos não possam servir de desculpa para actos violentos e que a violência não é a solução para nada mas mantenho as minhas ideias de que alguns videojogos podem ser considerados arte (recordo também que a arte em si mesma é subjectiva) e de que os jogos não influenciam os actos das pessoas mas sim lares instáveis e situações sociais precárias.