Introduza o termo a pesquisar e clique Enter.

Web Apps: Moda ou Futuro

Jan 08 30

Escrito por Luis Nabais @ 30/01/08 23:01 | 5 Comentários »

Quantos de nós não usamos um qualquer serviço de webmail como o hotmail ou o gmail desde que nos aventuramos pelas primeiras vezes no mundo da web? Quantos de nós não estamos já habituados a ferramentas como o google reader? Certamente que a grande maioria de vocês se revê nestas palavras no entanto serão as chamadas “web apps” o futuro da informática? Ao ver na Web “aplicações” como o Google Docs começo a interrogar-me se as Web apps serão mesmo o futuro ou se são apenas uma moda.

Deixem-me então dissecar os prós e contras de cada uma das soluções. Dum lado as novíssimas aplicações Web based como o Google Docs ou até mesmo o Ulteo (a “distro Linux” Web based) e do outro as velhas aplicações como o OpenOffice.org ou um Ubuntu.

Por um lado as Web apps permitem-nos abstrair todos os problemas de configurações e upgrades que tanto afligem as contrapartes locais mas a que custo? Os nossos ficheiros ficam muitas vezes guardados num servidor alheio sobre o qual não temos controlo. Isto pode ser positivo uma vez que permite uma maior segurança no que toca a possíveis problemas de perca de dados mas coloca a tão importante questão da privacidade que não se coloca tanto num computador caseiro.

Outro dos problemas é a possível impossibilidade de migrar os dados para outro serviço caso aquele seja descontinuado. Situações como estas são atenuadas no Google Docs por exemplo ao utilizar padrões como o OpenDocument Format (ODF) no entanto ninguém assegura que será assim para todos os serviços online.

Outra questão são as interfaces. Ajax, Flash, Java… Sem duvida que permitem criar excelentes interfaces mas permitirão elas um acesso ao seu publico alvo daqui a 3 anos? A Web está em constante mudança e evolução bem como os Browsers que possibilitam o acesso a esta mas por outro lado um PC com um sistema operativo e aplicações de há 10 anos atrás pode continuar a servir o seu propósito mesmo que a Web desapareça já amanhã.

Eu próprio sou um utilizador de aplicações como o Google Reader, rendo-me á sua utilidade já que não disponho de nenhum método fiável de aceder á minha lista de feeds a partir de qualquer dispositivo em qualquer lugar, essa sim uma enorme vantagem das Web Apps.

Porém ao ver projectos como o Ulteo começo a ponderar se não existirá um pouco de exagero nas aplicações que se desenvolvem. Qual será a utilidade de abrir um browser para ir a um website fazer login num sistema operativo remoto onde se pode abrir um browser para ir navegar na Web, trabalhar no openoffice, etc? Não serão isto apenas correr algo num browser simplesmente porque se pode?

Por outro lado temos novidades como o Jaxter da Aptana que prometem simplificar em parte o processo de utilização do Ajax passando para o servidor partes do código que anteriormente corria exclusivamente na máquina do utilizador.

pub:

5 Comentários

  1. Mario Andrade

    31 de Janeiro de 2008 ás 08:13

    a utilizar Mozilla Firefox 2.0.0.11 em Windows XP

    Sabes que quem ler apenas a conclusão nao sabe do que estás a falar 😛

    As WebApps são o futuro, algumas tornam-se modas mas a verdade é que as suas possibilidades são impensáveis.
    Agora se os sites corporativos as começassem a usar aí sim se ia ver um crescimento significativo.

    Talvez quem tenha um negócio próprio saiba explicar porque razão as empresas não usam redes sociais para criar uma ligação de proximidade e possivelmente cativar novos clientes…

  2. Tiago Rodrigues

    31 de Janeiro de 2008 ás 10:59

    a utilizar Mozilla Firefox 2.0.0.11 em Ubuntu Linux

    “Ao inicio fiquei céptico quanto a esta pergunta mas agora tenho de concordar: sim, devíamos passar mais processamento para a maquina do utilizador mas optando pelo caminho das Web apps não estamos a fazer precisamente o contrario? Não estamos nós a carregar ainda mais os servidores passando de uma Web maioritariamente estática para uma Web interactiva?”

    Se as coisas forem bem feitas, não. Muito do processamento feito num Google Docs por exemplo é feito do teu lado. Apenas quando fazes um Save estás a contactar o servidor.

    Depende de quem constrói a aplicação assegurar que não se estão sempre a fazer comunicações inúteis com o servidor.

    Se procurares no blog do Mário Valente vais encontrar diversos exemplos e artigos sobre frameworks de javascript e como passar a grande parte do processamento para o lado do cliente. Talvez um dos melhores exemplos é o de manter uma base de dados do lado do cliente (e tanto quanto sei, a próxima geração de browsers está a criar a infraestrutura para isto se tornar ainda mais plausível).

    A tecnologia existe, e é possível fazê-lo. Agora só é necessário que realmente se aplique e que se aplique bem.

  3. Tiago Rodrigues

    31 de Janeiro de 2008 ás 11:02

    a utilizar Mozilla Firefox 2.0.0.11 em Ubuntu Linux

    Uma sugestão, coloca a caixa de notificação de novos comentários algures acima do botão “Comentar”. Nem sei se o meu anterior comentário foi bem enviado porque cancelei ao ver a dita cuja para a activar.

  4. ilidio

    14 de Abril de 2008 ás 17:28

    a utilizar Internet Explorer 7.0 em Windows XP

    “permitiram elas um acesso ao seu publico alvo daqui a 3 anos?”

    permitir ÃO

    cumprimentos