Introduza o termo a pesquisar e clique Enter.

Dois vicios

Dez 06 28

Escrito por Luis Nabais @ 28/12/06 1:12 | 1 Comentário »

Bem hoje decidi vir aqui falar dos jogos de cartas que me andam a viciar desde que conheci este nosso companheiro que dá pelo nome de Bruno e que é o autor do Olhar Marciano. Apesar de o ter conhecido pessoalmente num jogo de Axis and Allies (um excelente board game de estratégia militar na segunda grande guerra) e posteriormente ele me ter mostrado como jogar Dungeons & Dragons o verdadeiro vicio que ele me “pegou” foram os jogos de cartas e mais necessariamente Vampire: The Eternal Struggle e (indirectamente) Munchkin. Tendo acabado hoje de adquirir o meu primeiro set do segundo acho que é uma boa ideia falar primeiro dele.

Go down in the dungeon. Kill everything you meet. Backstab your friends and steal their stuff. Grab the treasure and run.

Poderia existir uma premissa melhor para um jogo de cartas? Neste jogo começamos como um simples humano de nivel 1 com duas mãos, uma cabeça e um par de pés mas a partir dai as cartas podem alterar tudo na nossa constituição desde o numero de membros até ao nosso sexo e tudo isto enquanto vamos combatendo monstros. Star munchkin, Munchkin Fu e Super Munchkin são “variações” ao jogo original que mudam o ambiente da fantasia estilo D&D para outros universos (espaço, kung fu e super herois respectivamente) mas o melhor de tudo é que podemos simplesmente misturar tudo e acabar com um jogo digno de um episódio de Monty Python tamanha é a mistura de estilos. Imaginem serem um Clerigo de nivel 3 com uma capa que vos permite voar enquanto empunham uma arma de raios para combatar um Gothzilla e meia duzia de thugs que vêm contra voçês a usar manobras de kung fu, estranho o suficiente? Acreditem que sim mas que dá para umas belas risadas dá e eu estou viciado no jogo.

O outro jogo é Vampire: The Eternal Struggle, um card game baseado no RPG Vampire: The Masquerade (que já por variadas vezes foi transposto para PC) e que segue uma linha semelhante ao magic. Compram-se os decks pre-construidos, os boosters, fazem-se os nossos proprios decks e joga-se mas aqui está a grande diferença: ao contrario de magic, vampire apenas se joga bem de 3 a 6 jogadores e não 1 contra 1. Dentro do jogo existem votações politicas, lutas entre vampiros e ataques directos aos outros jogadores para reduzir o seu sangue (que no jogo representa a influencia dos jogadores).

Há algo de comum nestes dois jogos: em ambos é necessário negociar com os outros jogadores e eventualmente trai-los para atingir os nossos objectivos e é em parte esta particularidade que me deixa tão agarrado a ambos estes jogos mas acima de tudo é o facto de estar ali sentado com outras pessoas a jogar, discutir, dizer parvoeiras e eventualmente partir o coco a rir que me leva a jogar estes jogos e pessoalmente só tenho pena de mais destes jogos “alternativos” não chegarem ao mercado “mainstream” como os hipermercados e afins porque muitos deles (especialmente munchkin) são simplesmente geniais de jogar em familia ou em grupos de amigos, mesmo que não sejam tão geeks como eu.

pub:

1 Comentário