Introduza o termo a pesquisar e clique Enter.

Tag: open-source

Logitech Harmony em Fedora Linux

Mai 12 09

Escrito por Luis Nabais @ 09/05/12 17:05 | Sem Comentários »

Há já bastante tempo atrás aproveitei uns descontos da fnac e decidi simplificar o crescente numero de controlos remotos na minha sala com a compra de um Logitech Harmony (515 se estiverem interessados). Na altura configurei-o o melhor que pude com o lastimável software que tem e nunca mais lhe mexi… até hoje.

Hoje deparei-me com um cabo óptico partido no meu WD TV (que me levou a um bom bocado a tentar retirar o encaixe de dentro do conector) e visto que não tinha por cá outro cabo para o substituir decidi meter antes um cabo analógico a substitui-lo. Ora com isto tive de reprogramar ligeiramente o Harmony para utilizar o input certo (e já agora acertar uns timings que nunca ficaram bem).

No entanto tive um pequeno problema: estava com o PC ligado em Linux e não tinha pachorra para arrancar em windows só para o programar. E foi assim que meti mãos à obra e descobri como se fazia a coisa no lado negro da força.

Continuar a ler esta entrada >>

Carta aberta ao Expresso

Mar 09 10

Escrito por Luis Nabais @ 10/03/09 0:03 | 2 Comentários »

AVISO: Este texto não representa nem em parte nem na sua totalidade as opiniões do meu empregador. Tudo o que escrevo neste texto, bem como neste blogue, são apenas as minhas opiniões pessoais.
Esta entrada surge como resposta ao artigo publicado em expresso.pt intitulado: “Magalhães”: O Expresso e um pretenso desmentido

Cara direcção do Expresso,
Certamente que, contrariamente ao senhor José Jorge, têm as habilitações necessárias para efectuar a tradução de software como o GCompriz e que ao contactarem com o autor original do programa ficaram a perceber que essa mesma tradução é fruto de um trabalho voluntário por parte das mais diversas pessoas e organizações por esse mundo fora.

Espero com esta carta aberta educá-los um pouco sobre o modelo de desenvolvimento Open-Source (ou Código Livre), modelo esse que parecem (ou querem fazer parecer) desconhecer. Para vosso conhecimento o modelo de que falo assenta sobre o princípio de que o código fonte dos programas informáticos e tudo o mais que lhe está associado (documentação, traduções, etc.) são de livre redistribuição e modificação, são criados e melhorados com a contribuição voluntária de todos os envolvidos.

A Caixa Magica Software é uma empresa que se dedica à distribuição e ao suporte do sistema operativo Linux possuindo para tal várias distribuições do mesmo sistema (neste caso a Caixa Magica 12 MAG) sendo a actividade principal da empresa, a meu ver, proporcionar suporte e corrigir problemas que os seus clientes encontrem com o software. Para efectuar tal trabalho é necessário que os clientes reportem os erros à empresa de forma a ser possível corrigi-los, não sendo de todo produtivo procurar rapidamente desinstalar o software em questão.

A Caixa Magica procura também ajudar sempre que possível no desenvolvimento dos diversos componentes que juntos formam o sistema operativo Linux à semelhança de muitas outras empresas pelo mundo fora, umas maiores do que outras, que assentam sobre o mesmo modelo de negócio e sobre a mesma filosofia de partilha de conhecimento e esforços.

Sinto-me portanto profundamente enojado e insultado ao ver a Caixa Magica Software, e em boa parte todo o modelo Open-Source e respectivas pessoas singulares e/ou colectivas associadas, serem arrastadas para aquilo que não posso deixar de considerar um jogo sujo politico considerando o quão oportuna é a noticia à luz não só do ano de eleições em que nos encontramos como do facto do projecto Magalhães ser uma das bandeiras da governação do governo actual.

Deixo então o convite aos senhores jornalistas do Expresso, ao Exmo. Sr. Deputado José Paulo Carvalho e a todos os demais que assim o desejarem de se dirigirem à minha pessoa, á Caixa Magica ou a quem mais acharem indicado para saberem como é possível participarem num dos inúmeros projectos Open-Source (como o GCompriz por exemplo) de forma a defenderem a Língua Portuguesa contribuindo com traduções, com documentação, código fonte ou o que demais puderem fazer para melhorar a sua qualidade e ajudar a evitar que situações como esta se repitam. Ajuda e críticas construtivas são sempre bem-vindas.

PS: Fica também uma nota de apreço para o senhor José Jorge, emigrante Português que realmente apenas dispõe da 4ª classe feita em Portugal (tendo terminado o seu ensino superior em França) e que mesmo assim tentou dar o seu melhor para traduzir um software como o GCompriz para a sua língua materna sozinho e sem apoios destes que por cá andamos demasiado ocupados a olhar para os nossos umbigos.

pub: