Introduza o termo a pesquisar e clique Enter.

Categoria: Tutorials

Logitech Harmony em Fedora Linux

Mai 12 09

Escrito por Luis Nabais @ 09/05/12 17:05 | Sem Comentários »

Há já bastante tempo atrás aproveitei uns descontos da fnac e decidi simplificar o crescente numero de controlos remotos na minha sala com a compra de um Logitech Harmony (515 se estiverem interessados). Na altura configurei-o o melhor que pude com o lastimável software que tem e nunca mais lhe mexi… até hoje.

Hoje deparei-me com um cabo óptico partido no meu WD TV (que me levou a um bom bocado a tentar retirar o encaixe de dentro do conector) e visto que não tinha por cá outro cabo para o substituir decidi meter antes um cabo analógico a substitui-lo. Ora com isto tive de reprogramar ligeiramente o Harmony para utilizar o input certo (e já agora acertar uns timings que nunca ficaram bem).

No entanto tive um pequeno problema: estava com o PC ligado em Linux e não tinha pachorra para arrancar em windows só para o programar. E foi assim que meti mãos à obra e descobri como se fazia a coisa no lado negro da força.

Continuar a ler esta entrada >>

Dividir para conquistar: multiplos perfis no Firefox

Dez 10 15

Escrito por Luis Nabais @ 15/12/10 21:12 | Sem Comentários »

Quem usa o Firefox para uso pessoal e para desenvolvimento, como é o meu caso, certamente já reparou que por vezes as inúmeras e indispensáveis extensões que tornam este browser uma quase indispensável ferramenta de trabalho são também alguns dos principais culpados por o deixar sofrivelmente lento no dia a dia.

Pois bem eu encontrei uma possível solução para este problema utilizando uma velha funcionalidade escondida do Firefox que permite possuir mais do que um perfil de utilizador (o que implica bookmarks diferentes, configurações diferentes, cache diferente e acima de tudo extensões diferentes). A parte porreia desta funcionalidade é que pode até ser usada para experimentar versões alpha/beta sem poluir o vosso perfil ou para qualquer outro uso que lhes queiram dar.

Mas vamos ás instruções.

Primeiro que tudo há que criar os perfis correndo o Firefox com os seguintes argumentos

-ProfileManager -no-remote

Somos então brindados com uma janela onde é possível criar novos perfis. Cliquem em “Criar Perfil…” e dêem um nome como “Trabalho” ao novo perfil. Depois cliquem em “Sair” (isto é muito importante se querem manter o perfil actual como omissão).

Depois criem um atalho para o Firefox (no ambiente de trabalho ou em outro local) com os seguintes argumentos:

-P Trabalho -no-remote

Isto vai fazer com que este atalho abra uma nova janela de Firefox a correr o vosso novo perfil onde podem instalar à vontade as extensões de desenvolvimento sem poluir o vosso perfil do dia a dia.

Espero que este truque vos seja tão útil para vocês como foi para mim e se tiverem alguma duvida, critica ou sugestão digam qualquer coisa nos comentários.

Screen tricks

Abr 09 26

Escrito por Luis Nabais @ 26/04/09 15:04 | Sem Comentários »

Recentemente lá no emprego alguém se deu ao trabalho de me mostrar a luz sobre uma ferramenta essencial que tenho estado a ignorar totalmente em todos estes anos que tenho usado linux (e demais *nix): o screen.

Para quem não conhece o screen deixo uma pequena explicação: o screen funciona como um gestor de múltiplos terminais dentro da mesma janela (uma especie de “tabs” na cli) e para além disso serve também para manter as aplicações a correr quando saímos da sessão (algo bastante útil quando o wireless decide falhar ou o pc decide empancar por causa de um controlador IDE estragado).

Eu experimentei e devo dizer que estou totalmente rendido á sua utilidade mas, como sempre, foram muitas as vezes que dei por mim a entrar numa maquina, começar o que queria fazer e só a meio me lembrar que dava jeito ter o screen a correr para poder ir fazer outra coisa qualquer. Para resolver esta situação decidi forçar-me a mim próprio a usar o screen e como tal fiz um pequeno script para colocar no .bashrc que resolve a situação:


if [[ $TERM == 'xterm' ]]; then
        if [[ `screen -list | grep Detached | wc -l` == 0 ]]; then
                if [ ! ${SSH_TTY} ]; then
                        exec screen
                else   
                        screen
                fi
        else   
                if [ ! ${SSH_TTY} ]; then
                        exec screen -dRR
                else   
                        screen -dRR
                fi
        fi
fi

Este pequeno script muda a minha sessão de bash para o screen sempre que entro numa consola local (mas não abre o screen dentro do screen) ou então simplesmente corre o screen se estiver a usar ssh para aceder á maquina. Basicamente a diferença é: em máquinas locais exit sai da sessão enquanto que nas remotas exit sai apenas do screen mas mantém a sessão (NOTA: ainda não testei isto).

Como bónus ele detecta se existem sessões ligadas mas inactivas na maquina em questão e religa-se a uma delas caso assim seja (infelizmente ainda é aleatória esta parte).

Para complementar falta o script que arranjei num blog para adicionar uma pequena barrinha na parte inferior da consola com uma lista das “tabs” do screen, data e hora e, acima de tudo, o hostname da maquina onde o screen está a correr:


caption always "%{= kw}%-w%{= BW}%n %t%{-}%+w %-= @%H - %LD %d %LM - %c"

E estou pronto a usar o screen permanentemente nas minhas sessões. Espero que isto ajude alguém por aí como me ajuda a mim.

Upscale a DVDs no PC

Ago 08 20

Escrito por Luis Nabais @ 20/08/08 0:08 | Sem Comentários »

Estão fartos de ver dvds cheios de blur quando usam o pc? Pois bem a solução para esse problema é simples: fazer upscale ao dvd.

Não querendo entrar em muitos pormenores acho que basta dizer que o processo de upscale basicamente aumenta a resolução de um vídeo para uma resolução superior aplicando algoritmos matemáticos para reduzir os efeitos secundários como o blur e o ruído na imagem.

Ainda não procurei se dá para fazer isto em Linux ou Mac OS-X portanto isto aplica-se apenas a utilizadores Windows.

Continuar a ler esta entrada >>

Winamp e Google Talk

Jul 08 27

Escrito por Luis Nabais @ 27/07/08 20:07 | 2 Comentários »

Certamente que alguns ainda se lembram que eu sou um bocado fã desse velhinho player que dá pelo nome de Winamp (e que continuo a usar sempre que estou em windows) e outros sabem também que eu costumo utilizar o Google Talk.

Pois bem a verdade é que o cliente windows do Google Talk tem uma funcionalidade semelhante ao Windows Live Messenger que permite mostrar a musica que estamos a ouvir como mensagem de estado e há uns tempos atrás deparei com um bug na mesma: sempre que a ligava o cliente bloqueava assim que eu ligava o Winamp.

Na altura não encontrei nenhuma justificação nem solução mas hoje calhei a pesquisar sobre o assunto e deparei-me com a solução (fonte). Solução essa que vou passar a reproduzir aqui:
 

  • Ir a pasta onde foi instalado o Winamp (habitualmente “c:\program files\winamp”) e criar um ficheiro vazio chamado “winamp.m3u”. Reiniciar tanto o Google Talk como o Winamp e deve ficar tudo ok.

Continuar a ler esta entrada >>

Calendario no gnome

Jul 08 08

Escrito por Luis Nabais @ 08/07/08 10:07 | Sem Comentários »

Vou deixar isto aqui porque pode ser útil para mais alguém mas faço-o mais porque estou constantemente a esquecer-me disto.

Calendário do Gnome
(Carrega na imagem para aumentar)

Para quem como eu usa o Gnome como ambiente de trabalho e quer ter os compromissos no calendário que aparece quando se clica no applet com a data e hora, aqui fica o comando a executar:

/usr/lib/evolution-webcal/evolution-webcal $URL_DO_FICHEIRO_ICAL

NOTA: A localização do ficheiro pode variar, esta é a localização em Arch Linux.

Dicas para um recém-chegado ao Ubuntu

Set 07 08

Escrito por Luis Nabais @ 08/09/07 1:09 | 4 Comentários »

…ou como não desistir de usar Ubuntu passados 5 minutos.

Vou neste artigo refutar algumas das principais razões que são habitualmente dadas pelos utilizadores que desistem do Ubuntu antes mesmo de o instalar.

1 – O Sistema é feio.
Eu sei que a maioria das pessoas fica pelo default mas o do Ubuntu não é propriamente atraente (não é que eu desgoste do castanho/laranja, simplesmente acho que está mal utilizado) por isso uma das principais razões para a desistência precoce do sistema é o seu aspecto. Experimente fazer algo tão simples como no proprio live cd irem a Sistema -> Preferências -> Tema e escolherem um tema como o “Aspecto Claro” ou o “Brilhante”.

2 – Não funcionou antes.
Outra grande questão é que muita gente não tem o seu hardware 100% funcional no sistema e eu não vou mentir: o mais provável é que nos próximos tempos isso nunca venha a acontecer. No entanto a cada nova versão do Ubuntu existe mais suporte para hardware e acreditem em mim, as diferenças são notórias.

Continuar a ler esta entrada >>

pub: