Introduza o termo a pesquisar e clique Enter.

Arquivo para: Novembro, 2009

Smilies com gorro

Nov 09 22

Escrito por Luis Nabais @ 22/11/09 2:11 | 2 Comentários »

Caso estejam a achar estranho os smilies dos comentários aqui do site estarem todos com um gorro vermelho fiquem descansados que não foi nenhum erro nem nada parecido mas sim a forma de assinalar o Natal aqui no estáminé.

Se não vêm os gorros carreguem no refresh que fica logo tudo resolvido.

Ah e já agora, feliz época natalícia.

PS: sim eu sei que é cedo mas o Hugo Cardoso é que começou!

Anuncio de serviço público

Nov 09 19

Escrito por Luis Nabais @ 19/11/09 2:11 | 1 Comentário »

Malta, se pedem a alguém para tratar do design do vosso site não é considerado chatear a pessoa pedir para mudar o alinhamento dos textos.

O que é sim chatear e andar a fazer isso tudo usando o editor visual do cms, deixar vários pedaços de código html invalido pelo caminho e no fim ir ter com o gajo encarregue do design porque se enfiaram num buraco de onde não conseguem sair.

A isto os anglo-saxonicos chamam de “over-stepping on someone’s boundaries” ou como eu diria em bom português: andar a meter o nariz onde não se é chamado.

No fim o resultado é um gajo ficar com fama de mal humorado porque fica chateado porque aumentaram o trabalho dele quando não o quiseram chatear…

E posto isto vou finalmente meter-me a ver Dr. Who que já tenho saudades.

Memorias da minha escola

Nov 09 17

Escrito por Luis Nabais @ 17/11/09 4:11 | 3 Comentários »

Quando um gajo fica com insónias saem coisas destas, especialmente quando um gajo esteve a ver o ultimo episódio de algo como Azumanga Daioh e se começa a pensar em tempos antigos.

Para quem não conhece a série fica um breve resumo: é um anime de humor sobre um grupo de raparigas nos 3 anos de escola secundária e acaba quando elas saem da escola para ir para a universidade. Posto isto comecei a tentar lembrar-me de quando eu sai da minha secundária e depois do meu 9º ano e foi aqui que fiquei a perder mais tempo. Eu não tive um tempo muito feliz do quinto ao nono ano: a escola tinha muitos elementos negativos fruto da localização e eu nunca me adaptei muito bem mas a ultima vez que lá estive há de sempre ficar associada a umas belas memorias…

Foi num dia 23 de Dezembro (uma data difícil de esquecer) e eu tinha uns belos 16 anos, estava frio mas não chovia e eu só posso dizer que estava de calças de ganga e ténis porque há anos que é praticamente a única coisa que uso no entanto lembro-me perfeitamente que a rapariga com quem estava tinha uma camisola vermelha de malha. Eu tinha passado a tarde com ela como já vinha sendo um acontecimento algo habitual nos últimos 3 ou 4 meses e acabei por ser levado a ver uma peça de teatro do primo mais novo dessa rapariga ao fim da tarde. O miúdo andava numa escola pré-primaria mesmo do outro lado da rua da minha antiga escola preparatória e a peça era numa das salas dessa minha antiga escola. Ainda me lembro da sala e tudo, era no 1º piso ao fundo à esquerda, por baixo da sala onde tive E.V. e era habitualmente usada para visionamento de filmes quando não eram lá as aulas de E.M.R.C. (que “graças a deus” nunca tive).

Foi um dia complicado aquele, foram poucas as vezes na minha vida em que tive o coração a bater tão rápido. Não me lembro de virtualmente nada da peça dos miúdos, admito que não estava muito para aí virado, lembro-me no entanto que a sala tinha as cortinas fechadas porque eu estava junto ás janelas e ia espreitando para o vento que se podia ver nas árvores na rua. No fundo no fundo eu só pensava que queria sair dali para falar com aquela rapariga, havia algo que eu tinha de lhe dizer…

Deviam ser umas 6 da tarde quando sai de lá, era já de noite pois lembro-me das luzes acesas na rua. Junto ao portão principal da escola há uma daquelas caixas de electricidade, mesmo do lado esquerdo do portão na altura pintado de azul (agora não sei como está, já lá vão uns anos desde que lá passo) e foi junto a essa caixa que, já só eu e ela, eu peguei na mão dela e disse, de forma totalmente desengonçada, algo como “Gosto muito de ti. Mas mesmo muito…” e fui repetindo nesse estilo atrapalhado até que ela, com o vermelho das bochechas coradas provavelmente acentuado por aquela camisola, me respondeu com um sorriso envergonhado que precisava de pensar. Lembro-me perfeitamente que não foi um sim, que fiquei ainda mais nervoso quando ela se despediu de mim dizendo que depois me dizia qualquer coisa e que eu fiquei durante uns minutos a olhar enquanto ela voltava para dentro da escola para ir ter com o primo que a festa de natal dos miúdos ainda continuava.

Enquanto caminhava ao longo da rua que seguia ao longo do muro da escola olhei para a bandeira no mastro a abanar na noite fria de inverno a pensar se tinha feito a escolha certa, se não devia antes ter ficado calado e apressei o passo que já se fazia tarde e ainda tinha uns bons minutos de caminho até chegar a casa…

Nessa noite recebi uma mensagem que começava com “Sim”… Eu nem sequer tinha pedido nada, não tinha feito nenhuma pergunta, tinha apenas dito o que sentia mas ela dissera-me que sim… e só acabou quase um ano e meio depois nos corredores de uma outra escola mas não deixa de ser aquele que é possivelmente um dos dias que mais guardo com carinho na minha memoria.

E são coisas lamechas destas que saem quando um gajo anda com insónias. E é tramado porque deixam um gajo com um sorriso parvo na cara, uma lágrima no canto do olho e com o sentimento de acabei de fazer o papel daquele velhote dos anúncios dos caramelos Werther’s Original mas não tenho nenhum neto para me dar um nem sequer idade para filhos.

Bah, vou mas é calar-me e ver se vou dormir que esta historia já a devo ter contado umas 500 vezes… E vocês que me lêem, como foram as ultimas vezes que entraram numa das vossas velhas escolas?

PS: caso estejam a interrogar-se sim, eu obviamente que ainda me lembro do nome da rapariga. Apenas decidi não o meter por escrito.

ZORRG: Proposta de manual

Nov 09 15

Escrito por Luis Nabais @ 15/11/09 23:11 | Sem Comentários »

Zombie Survival Guide Cover
Caros amigos e companheiros do ZORRG venho aqui propor um livro que pode melhorar e muito as nossas possibilidades de sobrevivência no caso de um apocalipse Zombie. Esse livro é o Zombie Survival Guide escrito pelo norte-americano Max Brooks.

No livro pode-se encontrar desde uma analise da fisiologia de um zombie até a historias de casos reais de ataques ao longo da historia sem esquecer formas de combate aos mesmos. O livro fala de como nos podemos defender em caso de ataque e quais as melhores armas bem como os melhores e piores locais para onde nos devemos deslocar durante a longa luta contra os mortos-vivos.

Recomendo vivamente a todos aqueles que estão seriamente a pensar em como sobreviver ao sempre eminente apocalipse Zombie e a todos os outros que ainda não estão totalmente cientes do quão séria é esta ameaça.

Contraceptivos e o Aquecimento Global

Nov 09 05

Escrito por Luis Nabais @ 05/11/09 1:11 | 1 Comentário »

Num estudo da London School of Economics defende-se que os métodos contraceptivos são positivos para o controlo do aquecimento global pois controlam o crescimento da população mundial (fonte da noticia).

Ora eu já estou a ver as conversas que vão sair daí entre casais nos próximos tempos:

Ela: Amor não achas que era boa ideia ter-mos um bebé?
Ele: Tás maluca? Então não ouviste que isso piorava o aquecimento global? Não podemos ser assim tão egoístas.

Aborrecido

Nov 09 05

Escrito por Luis Nabais @ 05/11/09 0:11 | 2 Comentários »

Ok, estou aborrecido com o meu desktop. Uso Gnome praticamente desde que comecei a usar Linux à coisa de 4/5 anos atrás e sinceramente começo a ficar cansado e o Gnome 3.0 parece querer bater o Winamp 3 no que toca a desastres colossais com aquele gnome-shell.

Mas não se enganem, eu continuo a gostar de usar Gnome. Continuo a achar que o Gnome é o ambiente de trabalho onde sou mais produtivo e aquele que consigo colocar mais a meu gosto no entanto sinto que estou estagnado no tempo. Já experimentei KDE 4 e continuo a não gostar (desculpem, não gosto e acabou), já tentei andar por uns tempos nos minimalistas como openbox que não gostei ou no xfce que gostei muito mas onde senti a falta de muitas pequenas coisas que tornam a experiência de usar gnome ou KDE em algo completo e produtivo, faltava sempre qualquer coisa…

Acabo sempre por voltar ao meu bom e velho Gnome… Com o mesmo tema já vai para praticamente um ano, com a distribuição que me dá menos chatices mas ainda vai evoluindo naturalmente sem se tornar num autentico uborto… desculpem, queria dizer aborto.

No entanto e apesar de ser muito produtivo no Gnome em alguns workflows continuo a ter algumas queixas que já cá andam à uns anos:
 

  • O raio do flash continua uma trampa mas isso é mal geral
  • O suporte a partilhas de rede (samba, etc..) continua igual ao que era à uns 2 ou 3 anos atrás (leia-se: só funciona decentemente via linha de comandos).
  • O Nautilus tem o mesmo problema que o ponto acima muito não seja porque ele é o responsavel pelo ponto acima! O que eu não dava para o Gnome adoptar o Thunar ou assim (e já agora o plugin da Dropbox suportar o Thunar).
  • O GIMP continua a ser uma coisa a que eu simplesmente não me consigo habituar.
  • Eu até não me importava de ter Widgets como a malta do KDE.
  • Adorava que o Gnome-Do deixasse de crashar que nem uma besta (e já agora que não me obrigasse a instalar o mono)
  • Gostava de poder decidir qual dos meus dois ecrãs é o principal sem andar a brincar com o Xorg.conf
  • E que tal o gnome adoptar um clipboard manager, já não era sem tempo!
  • Corrigir o bug que faz com que as janelas se esqueçam do tamanho que tinham quando não estão maximizadas e ocupem o ecrã inteiro.
  • Continua a não dar para configurar os screensavers no Gnome-screensaver como dava no XScreensaver.
  • Era muito difícil o empathy abrir as janelas de chat sem eu ter de reparar que o raio do icon está a piscar à meia hora com alguém a tentar falar comigo?

Por outro lado tenho de tirar o chapéu a algumas das melhorias substanciais que vi ao longo dos tempos:
 

  • Gosto cada vez mais do Network Manager.
  • O Gnome-bluetooth está anos luz á frente do que era á cerca de 1 ano atrás. Agora só falta mesmo eu puder usar o meu telemovel como modem via bluetooth (facilmente) mas sei que isso está para breve.
  • O PulseAudio tem potencial, só gostava que o applet copiasse ligeiramente o do Windows Vista/7 e desse para facilmente gerir as várias aplicações sem abrir uma janela.
  • FINALMENTE o indicador de brightness do gnome passou a ser igual ao de volume. FINALMENTE!
  • O Rhythmbox já não crasha sempre que ligo o meu Zen (via MTP).
  • A minha webcam, impressora, scanner, etc. simplesmente funcionam sem eu ter de andar às voltas com o interface web do cups ou com o UI gigantesco do XSane.
  • O “Monitor de Sistema” já não gasta 15% do CPU só para mostrar a carga do CPU!

Mas já me alongo e já estou a misturar um bocado de coisas pelas quais o fedora é responsavel pelo meio do proprio gnome mas como as diferenças são praticamente nulas não é injusto. De qualquer forma tenho pena que não haja literalmente nada no campo dos Interfaces que me deixe minimamente entusiasmado hoje: o XFCE avança lentamente para se tornar naquilo que o gnome 2 é hoje, o KDE continua a não me interessar minimamente e o Gnome 3 parece ser uma festa de regressões… Será que tenho de comprar um mac para ficar desiludido com mais outro GUI um ano mais tarde?

pub: