Introduza o termo a pesquisar e clique Enter.

Arquivo para: Maio, 2005

Dor

Mai 05 29

Escrito por Luis Nabais @ 29/05/05 19:05 | Sem Comentários »

Seis meses… Seis meses que resumo em autentico inferno!

Fui desatento, ignorei o óbvio. “Quando a esmola é muita o pobre desconfia” diz o ditado e os tempos alegres que tive cegaram-me para a cruel realidade que é o mundo. Poderia dizer que tive tudo, tive o mundo a meus pés e isso cegou-me. Agora esse mundo exige pagamento, procura vingança, e eu pago pela minha displicência com lágrimas…. Com as lágrimas secas de quem chorou demais…

O mundo cobra-me de todas as formas roubando-me a rotina, a alegria de viver, a dignidade e até a luz dos meus olhos, aquela que me aguentava todos os dias. Aquela para quem eu corria no fim de cada dia e onde tinha um ombro amigo e um poço de carinho foi-me levada bem como tudo o resto e o que sobra é dor…

Dor de viver, dor de sentir… Dor de sentir e de olhar… Tudo um pouco está recheado de dor… Olho pela janela. A paisagem estranha e nova rouba-me um pouco da alma. Alma já gasta pela foto que removo da carteira talvez para nunca mais lá voltar…

E todos os dias recomeça… Quando vejo o que de mais importante tinha sair das minhas mãos dia após dia surgindo sempre no limiar do alcance fugindo quando tento agarrar recomeça… Cada vez mais longe e cada vez mais visível como um fogo que me queima… Como uma jaula que se fecha… Como um coração que se apaga no peito…

E choro… choro na alma cada vez mais… Começa como um “NÃO!!!” forte e seguro… Uma recusa da inevitável realidade que se vais desvanecendo, esmorecendo num coração que abranda. Então num forte grito de guerra a dor exalta-se, as palavras tornam-se armas e trespassa-se tudo e todos com a espada do desgosto gritando e berrando PORQUÊ?!?!?!? Mas esse porquê não vem… ninguém pode responder a essa questão talvez porque não sabem a resposta mas não se aceita… o coração impele-nos a tentar, pergunta-se a todos, fazem-se promessas para o conseguir… cada vez mais promessas… Promete-se até a própria vida se for preciso!!! Mas de nada serve e chora-se… o coração morre e toda a dor invade o corpo e a mente numa espiral de sofrimento capaz de levar muitos á cova tal é a dor que corrói os cacos do velho motor que perde forças no peito desgastado…

Então chega uma paz… Uma calma que nos assola e nos faz compreender: o passado já o foi, agora resta o futuro e nada pode mudar isso. É um renascer, um primeiro bater num coração que grita: começa hoje uma nova vida!! Mas não chega… esse gritar, esse reciclar dos pedaços do coração num novo espírito mais forte e renovado tarda em chegar e entretanto sofre-se…

E quando finalmente ela chega recomeça-se como que, na nossa finita existência de Homens, procurássemos eternamente a dor e o sofrimento como forma de atingirmos de forma célere o fim do nosso ser…

É triste estar triste…

Dói viver em dor…

Morre quem perde o amor…

The Letter You May Never Read

Mai 05 13

Escrito por Luis Nabais @ 13/05/05 19:05 | Sem Comentários »

It’s over then… A year and a half latter you said it was over and I have no other option but accept it. I still love you, I love with all my heart and I hope you know it. It’s been the best year and a half of my life, my only regret is it didn’t last longer but you say you don’t love me anymore and who am I to deny it?

I saw it coming from the day you said you didn’t like to kiss all that much… It was only a matter of days until you told me what I suspected but couldn’t believe. I was your sweetheart, your valentine, your lover… I am no more so it seems.

You’re afraid I’m sad but I’m not, how can one be sad considering all that has passed? Sure I could be sad cause of the end and I thought I would be but I’m not, I’m actually happy. I’m happy it was so great, I’m happy I met the most wonderful girl of my life, I loved you, you loved me, it lasted long and went on nicely, it was good… Why should I be sad?

But in fact I am sad, not for me but for you. I’ve seen you cry after you told me you didn’t love me, I’ve eared you say things to me, words of comfort, sentences I don’t need and you know it, you want to say them to me so you can believe in them. I understand, we’re both having a tough time.

I won’t lie to you. I still hope deep down in my heart that some day I’ll see you running to me once again. Sweat dream that allows me to sleep, the dream of you on some remote occasion running back to me.

But I am sad, I can’t lie to you. I’m sad because you left me indeed. I just can’t admit to it, I prefer to hide it behind my mask, my old and dusty happy face mask I haven’t worn since that day you said yes. Deep down in my dreams I still recall… recall the happy moments, that magical December day… It’s all gone now…

It had to happen right? Nothing is eternal. We are all made of the same flesh that dies a bit every day, every hour, every minute, every second… We are all dieing and with us our thoughts and emotions and so died our love…

…unfortunately.

I still love you but if indeed we weren’t meant to be I’ll grow over it, don’t worry my bumblebee… Sorry to call you that, my hearth still longs for yours even though it’s a desperate plea from the other side of a door that will stay closed for all time.

But that time runs dim and I must stop and walk away now. But before I go, I want you to know that you’ll always have a friend here. You’ll be in my hearth until I wither away, that I promise! And my final thought I know it’ll be: thank god I’ve known that little bee.

Best Wishes and Kisses, the now your friend:
Dextro

PS: Desculpem ser em Inglês mas prefiro assim.

User Agreements

Mai 05 06

Escrito por Luis Nabais @ 06/05/05 16:05 | 1 Comentário »

Um colega meu veio falar-me que da
famosa teoria da conspiração do gmail que fez muita gente entrar em
paranoia por a google adicionar os AdSense ao seu serviço gratuito de email, o GMail. Ele acreditava a pés juntos que a google guardava logs das palavras pesquisadas.

Eu apesar de acreditar que guardem registos sabia perfeitamente que
isto não era assim tão linear e decidi reler bem os “User Agreements”
não só da google como do MSN e da portuguesa SAPO (até porque sei que a
google guarda todos os emails durante um determinado periodo de tempo,
mesmo os “apagados” pelo utilizador, nada de diferente do disco rigido
do nosso PC que mantem todos os dados apagados até ser formatado).

Continuar a ler esta entrada >>

Mozilla Firefox – Uma breve historia

Mai 05 02

Escrito por Luis Nabais @ 02/05/05 21:05 | Sem Comentários »

Fiz com o Winamp e prometi repeti-lo com o Firefox e como sou pessoa de cumprir as minhas promessas (por mais tarde que o faça) decidi hoje por fim concretizar o meu tutorial dedicado ao Mozilla Firefox.

Porém antes de fazer o tutorial é bom conhecer a história dos browsers que eu vou resumir aqui antes de mais nada.

O Mozilla Firefox é hoje reconhecido como o mais forte candidato á permanência do Internet Explorer no trono dos Browsers da Internet e mesmo que poucos acreditem que este o venha a destronar a percentagem de utilizadores a utiliza-lo cresce ao minuto.

De acordo com dados do site w3schools.com o Firefox atingiu no ultimo mês de Abril 23.9% de utilizadores contra os decrescentes 65.7% dos Internet Explorer 6 e 5 combinados(fonte).

Mas o Firefox não marcou o inicio da Mozilla Foundation nem tão pouco o inicio das guerras dos browsers.

Tudo começou nos idos anos 90, altura em que a Microsoft (após o sucesso do seu Sistema Operativo Windows 95) abriu os olhos para um mercado que começava a emergir na altura: a World Wide Web. Nesta altura o rei e senhor dos Browsers era o Netscape que dominava praticamente sem concorrência pois browsers como o mosaic não eram mais do que ferramentas de trabalho.

Eis então que a Microsoft aplica todo o seu saber e conhecimento e decide criar o seu próprio browser: o Internet Explorer (nome de código: Trident). Até aqui tudo bem, a Microsoft entra na batalha mas a Netscape aguenta-se forte e o IE não apresenta nenhuma ameaça á quota adquirida do Netscape.

Então a Microsoft ultima a táctica que se veio a tornar imagem de marca da empresa. Cria o Windows 98 (sem duvida o melhor dos Windows 9x feitos até hoje) e incorpora dentro do mesmo o seu browser Internet Explorer. Com esta medida a Microsoft assegura uma quota de praticamente 100% do mercado das maquinas domesticas com Windows para o seu browser impregnando de tal forma o Internet Explorer no Windows que hoje, ao instalar o XP, já não é possível escolher fazer uma instalação sem instalar o “browser” da Microsoft.

Obviamente que a guerra de browsers não foi assim tão rápida, praticamente até há viragem do milénio as percentagens eram renhidas e o netscape, apesar de cada vez mais vacilante, aguentava-se com quotas cada vez mais inferiores.

Então chegou o suposto fim da Netscape quando a AOL anunciou que iria adquirir a empresa. Como ultima medida, e tentando salvar o que restava do seu browser, a equipa da Netscape criou a Mozilla Foundation e com ela surgiu uma versão do Netscape, open source, de nome Mozilla Suite.

Com a aquisição da Netscape por parte da AOL o desenvolvimento deste decaiu até á derradeira (?) versão 7.0 que praticamente enterrou o que restava da quota deste. Não só o Internet Explorer ganhava utilizadores graças á política monopolista da Microsoft como um novo nome surgia para dar a ultima machadada: Opera.

Perto do surgimento do browser Opera como alternativa viável dá-se por concluída a guerra dos browsers claramente ganha pela Microsoft. O Opera viu depois e rapidamente sugou os poucos que não se rendiam ao IE.

Mas agora nos últimos 2 ou 3 anos começou-se a assistir a um renascer daquilo que foi o Netscape, agora sobre a alçada da Mozilla Foundation e com uma nova filosofia: criar um browser simples e eficaz, que cumpra os padrões tal como o seu concorrente Opera mas que ao contrário deste não bombardeie os utilizadores com funcionalidade desnecessária: nasce o Firefox.

Com o lançamento da versão 1.0 recomeça a Guerra dos Browsers com a Microsoft a adicionar funcionalidades ao seu Internet Explorer 6 (agora com quase 5 anos de idade) para tentar compensar as percas mas sem sucesso.

Ficamos para ver o que o futuro reserva ao Firefox e ao seu irmão, o cliente de e-mail Thunderbird. Eu pessoalmente uso um browser a sério, uso o Firefox!
Links:

pub: