Introduza o termo a pesquisar e clique Enter.

Tag: liberdade

Ensitel – Relações Publicas? Não, advogados!

Dez 10 28

Escrito por Luis Nabais @ 28/12/10 2:12 | 5 Comentários »

É engraçado como as empresas (Portuguesas e não só) continuam a meter a pata na poça no que toca a lidar com os comentários feitos em relação ás mesmas e desta temos uma certa empresa cujo nome começa por E, acaba em L e tem as letras NSITE no meio decidiu, no cume da sua inteligência, lidar da pior das formas com uma série de artigos num blog acerca das suas lojas: em vez de entregarem o caso ao departamento de relações publicas (se é que têm algum, algo que duvido) entregaram aos advogados que se prestaram a disparar com um pedido de providencia cautelar para retirar as entradas do blog.

Como se não bastasse o tratamento completamente ridículo que a loja já tinha tido para com a cliente aquando dos dados originais, como se não bastasse a decisão do excelentíssimo doutor juiz do centro de arbitragem de conflitos de consumo de Lisboa ao achar que a cliente devia ter “recusado a recusa da Ensitel” em aceitar o equipamento, ainda vêm agora usar-se da nossa já demonstradamente incompetente justiça para tentar censurar as opiniões desta antiga cliente.

Basta! Se querem calar esta experiência que me fez a mim e a outros que leram jurar nunca mais ser clientes da Ensitel então vamos assegurar-nos que a historia é espalhada aos sete ventos e tornada impossível de silenciar. Vamos mostrar a estes senhores presos na idade das trevas da informação como funcionam as coisas neste fantástico mundo novo da internet.

Nas próximas paginas fica a transcrição dos vários posts que estão agora a ser alvo da providência cautelar. Peço-vos que façam o mesmo, que os espalhem o mais que possível para que por cada cabeça desta hidra que tentem cortar duas surjam no seu lugar.

UPDATE: A Ensitel, depois de dois comunicados que se podem resumir como ridiculos, já descobriu alguém com capacidade para lidar com a situação e fez o comunicado correcto:

Nos últimos dias temos ouvido as vossas opiniões. Nunca foi nossa intenção limitar a liberdade de expressão da Maria João Nogueira, mas apenas a defesa da nossa marca. Mas vemos agora que a nossa atitude foi inadequada e por isso vamos retirar de imediato a acção judicial.

Pretendemos também, no futuro, estar mais atentos ao que os nossos clientes dizem online, de modo a podermos assegurar que a vossa experiência com a Ensitel é o mais positiva possível. Nesse sentido estamos a preparar novas maneiras de poderem comunicar connosco, sempre que tenham um problema numa das nossas lojas ou com um dos nossos produtos.

Pedro Machado
Responsável de Vendas e Serviço a Clientes

Ganha a sanidade, ganha a liberdade de expressão, ganhamos todos nós.

Pirataria e a “perca” de dinheiro

Jan 10 20

Escrito por Luis Nabais @ 20/01/10 14:01 | 13 Comentários »

Cada vez que alguém acusa a pirataria de o fazer perder dinheiro Jesus mata 30 gatinhos, 15 canários e 8 porquinhos da índia. Desculpem-me mas é a única coisa que consigo dizer depois de ler textos francamente alarmistas como o colocado no site da ACAPOR que exclamam, qual reportagem da Fox News, coisas como:

800 lojas sucumbiram, 2 400 postos de trabalho desapareceram. Perante esta catástrofe social o Estado Português continua, qual avestruz, a fingir que nada se passa.

Ora vamos aqui clarificar uma coisa para quem acha que a pirataria é roubar ou que faz perder dinheiro: Meus amigos, só se pode perder dinheiro se já o tiveram em algum momento. Vendas não realizadas não são “percas”, quanto muito são potenciais lucros não obtidos o que é algo totalmente diferente.

Mas voltando à Dor e ao sofrimento invocado pela “catástrofe social” que a ACAPOR garante existir no nosso país eu pergunto: porque será que essas “800 lojas sucumbiram”? Será que foi mesmo por causa dos “Downloads ilegais” ou será que foi devido aos modelos de negócio desactualizados que procuravam explorar o consumidor numa era há muito desaparecida onde o acesso à informação e à cultura estava concentrado na mão de alguns.

E mais: “Downloads Ilegais” não existem meus amigos, o que existem é copias não autorizadas e nesse campo temos hoje um debate mundial sério sobre até que ponto se pode limitar os direitos dos indivíduos a copiar algo que adquirem. O direito à propriedade consagra o direito ao uso da mesma como o proprietário bem entender e isso tecnicamente devia incluir o direito à copia. A limitação deste direito através de tecnologias como o DRM ou de leis como o DMCA dos EUA vão contra os direitos fundamentais do Homem na minha modesta opinião e qualquer cidadão que defenda a democracia e a liberdade do individuo deve obviamente ser contra todo o tipo de leis e tecnologias que procurem limitar ou remover esses nossos direitos fundamentais.

Portanto eu faço aqui um apelo a todos os que me lêem e que concordam comigo: passem pelo site do Movimento por um Partido Pirata Português e colaborem da forma que vos for possível para o crescer desta voz em Portugal.

Este post vem como resposta a este apelo da ACAPOR.

pub: