Introduza o termo a pesquisar e clique Enter.

Anime Report – Verão 2011

Out 11 16

Escrito por Luis Nabais @ 16/10/11 22:10 | Sem Comentários »

Mais uma vez isto vem tarde e a más horas mas a culpa não é minha, é do facto de nem sempre ser possível encontrar as séries traduzidas. Há sempre uma qualquer série que acaba por se atrasar de forma ridícula e desta vez não foi excepção.

Mas posto isto vamos lá ver as epopeias que viram o seu final assinalado nesta época veraneante transacta. Ao contrario do que se passou na época primaveril temos boas séries para analisar mesmo que não na quantidade que se desejaria. Felizmente a época de inverno parece estar pronta a arrasar para compensar mas isso é matéria para outra aula, agora vamos mesmo falar dos últimos meses.

Steins;Gate

Steins;Gate

Steins;Gate

A historia de Steins;Gate decorre em Akihabara e foca-se num grupo de amigos que conseguiram transformar o seu micro-ondas num aparelho que permite enviar mensagens escritas para o passado. À medida que vão realizado as mais variadas experiências, uma organização chamada SERN que tem efectuado a sua propria investigação sobre viagem no tempo encontra-os e força os personagens a encontrar uma forma de evitarem ser capturados.

Começamos logo por aquela que é, na minha modesta opinião, uma das mais fortes candidata a série do ano. Os mais atentos e fieis leitores estarão já a dizer “mas este ano tem sido extremamente fraco, isso não é grande elogio” e há que admitir que isso é verdade, num ano com concorrência mais competente Steins;Gate provavelmente não seria um vencedor tão indiscutível mas enganem-se que ficaria de fora do lote de escolhas: a série é mesmo muito boa.

Trazida até nós pelas mãos do estúdio White Fox responsável por obras como Katanagatari e baseado na visual novel do mesmo nome feito pela 5pb e publicado pela Nitroplus, Steins;Gate conta uma historia de loops temporais e demais alterações ao fluxo espaço-tempo pelas mãos do auto-apelidado cientista louco Hououin Kyouma.

A historia apesar de não ser genuinamente original (há algo que seja hoje em dia?) apresenta-se extremamente bem construida e acima de tudo muitíssimo bem realizada pelo que é uma lufada de ar fresco num tema que apesar de recorrente não deixa de ser pouco explorado em animação japonesa. É mesmo muito importante deixar bem claro o quão bem desenvolvida está a historia, o desenrolar da mesma é lento quanto baste nos momentos iniciais para permitir ao espectador criar laços emocionais com as personagens e depois rápido o suficiente para provocar um sentimento de urgência nos climaxes da historia. E que climaxes meus caros! Há muito tempo que o meu coração não ficava tão apertado ao descobrir o destino inevitável de personagens de ficção.

A única nódoa que se pode encontrar é mesmo o facto de algumas personagens (2 para ser mais concreto) serem praticamente colocadas de lado até verem a sua historia concluída de forma atabalhoada num episódio algum tempo mais tarde. É realmente uma situação desagradável porém perfeitamente compreensível se tivermos em atenção que se trata de uma adaptação de um simulador de encontros tão típico japonês. Há que escolher qual dos caminhos do jogo a focar e os outros são sempre prejudicados. Não é todos os dias que se encontra uma adaptação ao nível de Clannad e esta, mesmo não o sendo, fica lá bem perto.

Esta review não podia estar concluída sem pelo menos deixar uma breve menção ao áudio da série. A banda sonora é extremamente consistente possuindo até alguns focos de brilhantismo na colocação da introdução e dos créditos finais. No entanto nunca chega a elevar-se a um patamar mais alto uma vez que é bem mais comum sermos brindados com silêncios dramáticos do que faixas da banda sonora. São escolhas porém não deixa de causar este impacto na avaliação da banda sonora cujas faixas retiradas na sua grande maioria do jogo são claramente bastante boas.

Uma nota muito importante também para o brilhante trabalho dos actores que fazem o papel de Okabe Rintarou (aka Hououin Kyouma) e Makise Kurisu, o primeiro já um experiente actor com personagens no currículo como Yagami Light (Death Note) e a segunda uma estreante que demonstrou aqui ser uma forte promessa de futuro e me deixou claramente fã. Claro que não devemos menosprezar o excelente trabalho dos demais actores mas sendo estes dois os personagens principais e tendo feito eles um trabalho tão bom era importante menciona-los aqui.

Veredicto: Steins;Gate corre o sério risco de ser a minha série do ano e como tal não podia deixar de a recomendar. Apesar de poder ser considerada leve nesse campo se gostam de ficção cientifica e de animação japonesa têm que ver este Steins;Gate. Mesmo que não sejam fãs do género Steins;Gate vale pelas interacções entre os personagens e pelas relações em que se foca a historia. Altamente recomendado.

  • Imagem: 8/10
  • Som: 8/10
  • História: 9/10
  • Personagens: 9/10
  • Nota Final: 9/10
pub: